Haitianos voltam aos cultos em meio a escombros deixados por terremoto
25/08/2021 09:43 em Mundo

Organizações cristãs que levam ajuda humanitária ao país enfrentam problemas de segurança, devido a roubos e bloqueio de estradas por gangues haitianas.

Os haitianos retornaram aos cultos dentro e fora de igrejas danificadas neste domingo (24), alguns pela primeira vez depois que o terremoto de magnitude 7,2 atingiu o país em 14 de agosto, deixando 2.207 mortos, segundo a Agência de Proteção Civil.

Na cidade de Les Cayes muitos cristãos foram à igreja agradecer por sobreviver ao desastre e lamentar a morte de entes queridos. Em uma igreja evangélica no bairro de Bergeaud, os fiéis louvavam sob os raios de sol que passavam pelos buracos nas paredes e no teto. 

O pastor Sevrain Marc Dix Jonas disse que o culto de domingo foi especial para sua congregação, que não se reunia desde que o terremoto atingiu o Haiti. "Hoje foi imperdível. Para agradecer a Deus. Ele nos protegeu. Não morremos”, celebrou o líder.

A igreja do pastor Sevrain foi uma das poucas que conseguiu cultuar dentro de seu templo. Em muitas congregações, os cultos tiveram que ser realizados fora dos prédios destruídos. 

Segundo a Agência de Proteção Civil do Haiti, mais de 2.200 pessoas ficaram feridas e quase 53 mil casas foram destruídas pelo terremoto. Com o passar dos dias, as operações de ajuda humanitária estão se expandindo, porém, a atuação de gangues haitianas estão atrapalhando os trabalhos de socorro.

Gangues invadiram ambulâncias e vans para roubar suprimentos. Em Porto Príncipe, o acesso a estradas está bloqueado em áreas dominadas por gangues, impedindo que a ajuda chegue à população.

A agência Aid to America, da organização cristã Samaritan's Purse, abriu um hospital de campanha no sábado (21), mas enfrenta problemas de segurança nos pontos de distribuição, devido a gangues que sequestram caminhões de ajuda humanitária.

A Mission Aviation Fellowship (MAF), uma equipe de aviação que apoia organizações cristãs, está fazendo voos médicos de emergência e transportando suprimentos. Dave McCleery, membro da equipe da MAF, explicou que com as estradas fechadas, a necessidade de ajuda é imensa.

“Há atividades de gangues que afetam Porto Príncipe, a capital, por muito tempo. Mas, especificamente, as gangues assumiram o controle de uma área de Porto Príncipe que fechou a estrada principal para o sul da península, onde ocorreu o terremoto. E por causa disso, toda aquela área do Haiti foi isolada”, disse McCleery.

E acrescentou: “Quando se fala nessa quantidade de socorro necessária, se o acesso rodoviário está bloqueado por causa da atividade das gangues, isso é uma preocupação real. Certamente podemos transportar a carga necessária, mas é muito mais caro e leva muito mais tempo do que se pudesse ser acessado por estrada”.

A situação também é crítica já que a Mission Aviation Fellowship tem apenas um avião disponível para ajudar no Haiti, assim como poucos voluntários disponíveis. Mas, junto com outras organizações cristãs, como a Samaritan’s Purse e a Missionary Flights, a MSF tem promovido esforços de ajuda para os haitianos.

“Definitivamente ore para que a ajuda necessária chegue, mas também para que a ajuda possa chegar às áreas afetadas”, pediu McCleery.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE AP NEWS, MISSION NETWORK NEWS E TAMPA HOY

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!